Organização Financeira

Dívidas entre amigos

Em recente notícia veiculada na Internet, li que a regularização de dívidas caiu pela sexta vez seguida, de acordo com o indicador de recuperação de crédito do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). E, de acordo com a reportagem, “na comparação com junho, o número de pessoas inadimplentes que regularizaram as suas pendências financeiras em atraso e tiveram o CPF retirado dos cadastros de negativação, registrou queda de 0,40%. No acumulado do ano, o volume de consumidores que limparam o nome também é negativo: -5,39%”.

Claro que não precisa ser nenhum gênio da lâmpada para perceber os motivos que levaram à piora neste indicador: economia estagnada, queda nas vendas (e, consequentemente nas comissões), aumento do  tarifa de energia elétrica, serviços e juros mais caros, entre outros fatores que contribuem para o quadro atual. E me veio à memória uma questão bastante delicada,   o empréstimo de dinheiro a amigos. Sendo você, meu querido leitor, o amigo da história, deveria ou não fazê-lo? Seguem algumas considerações:

(1) Por que um amigo pede dinheiro emprestado a outro? Com certeza porque os juros cobrados serão mais baratos do que os existentes no mercado de crédito, mas esta não é a questão principal a se levar em consideração. Os bancos, as financeiras e demais empresas especializadas em crédito costumam efetuar análise criteriosa da capacidade de pagamento do futuro devedor, e isto não é por maldade. Sendo um negócio como outro qualquer, os empresários do setor avaliam riscos e rentabilidades em suas operações. Agora a questão crucial: será que você, como credor, terá tal capacidade de avaliação? Ou indo um pouco mais além, e se o seu amigo está lhe solicitando o empréstimo por já ter esgotado todas as demais opções existentes no mercado? Concorda que são altas as chances de você não rever seu dinheiro?  

(2) E se seu amigo descumpra as datas combinadas? Suponha, por exemplo, que seu amigo tenha tido uma emergência não coberta pelo plano de saúde e, por este motivo, tenha sido necessário adiar a parcela de R$ 800 reais, valor que havia separado para lhe pagar ainda este mês. Como você irá reagir? Pessoalmente, eu me irritaria caso soubesse que a inadimplência do meu amigo tenha sido consequência de um comportamento displicente, acreditando ele que, por ser seu amigo, eu seria compreensivo. E você?

(3) Não há risco de você se tornar inadimplente, caso não receba? Empresas de crédito têm à disposição formas de captar recursos, sem contar que, possuindo muitos clientes, os recursos emprestados estarão pulverizados, diluindo assim o risco da inadimplência. Infelizmente, isto não ocorre com indivíduos que, quando emprestam, emprestam parte de seus salários, ou de suas reservas, normalmente para uma única pessoa, concentrando, portanto, o risco. Logo, meu caro, se você pretende entrar nessa, trabalhe com o pior cenário que é o de ficar a ver navios e, se neste cenário tenebroso, você não for o próximo a entrar na lista dos inadimplentes, vá em frente.

(4) E quanto ao cartão de crédito? Bastante comum amigos pedirem para contratarmos um produto ou serviço em nosso cartão de crédito, comprometendo-se a nos pagar na chegada da fatura. Fuja disso, pois em caso de inadimplência do amigo, somado a um orçamento apertado, você corre o risco de precisar parcelar a fatura, incorrendo em despesas de juros. Já soube de casos em que ao ressarcir o dono do cartão pela compra em seu nome, o devedor recusou-se a cobrir os juros do parcelamento, criando assim uma terrível confusão. Resultado final? Sem dinheiro e brigado com o amigo, que tal?

Conclusão: Pela dúvida, prefiro não arriscar amizades e, com certeza, negaria o empréstimo (com exceção aos pais, filhos ou cônjuges); e, para evitar constrangimentos, pensaria em desculpa mais florida para a minha negativa.

Um grande abraço e até a próxima!

O autor autoriza o uso de suas declarações. A Losango não se responsabiliza pelo conteúdo.

Esta informação não objetiva dar conselho legal, contabilidade ou taxa. As pessoas que acessam estas páginas devem obter orientação apropriada considerando os objetivos do investimento, situação financeira e necessidade. A orientação financeira oferecida não foi preparada considerando os objetivos de investimento em particular, situação financeira e necessidades de qualquer investidor em particular. Investidores orientados devem avaliar se é apropriado agir como tal.

Anterior Próxima

Soluções para Você

Descubra todas as soluções que temos para você realizar seus sonhos.

Tabela de Tarifas