Organização Financeira

Pouco emprego, muita criatividade

Dizem que são as épocas de crise que criam as melhores oportunidades e, devo admitir, concordo inteiramente com o dito popular, ainda mais em um país como o Brasil, onde o empreendedorismo é tão arraigado em nosso espírito. Apenas para citar um exemplo que até hoje me impressiona, lembro-me que há muitos anos, antes da chegada do Plano Real, quando a inflação chegava a quase 100% ao mês, havia gente que faturava uns trocados recarregando isqueiros descartáveis pela metade do preço a que eram vendidos em lojas. Pode até parecer uma bobagem minha, mas exemplifica bem a criatividade que acompanha o brasileiro.

O momento atual também tem revelado este lado do nosso povo, que arrisca o sucesso em pequenos empreendimentos, que vão desde a simples produção caseira de quentinhas para concorrer com os restaurantes, até projetos mais sofisticados, envolvendo aplicativos e páginas na Internet que oferecem os mais diversos serviços a preços assustadoramente baixos, mas com considerável capacidade de ganho pelo volume de acessos. Não tenho a menor dúvida de que será esta turma afoita – no bom sentido –, que conseguirá driblar a baixa oferta de emprego e que, possivelmente, em um futuro mais promissor, estará oferecendo vagas para os que ingressarão no mercado de trabalho. E foi refletindo sobre este tema que decidi pelo artigo de hoje, em que trago algumas sugestões para que você, meu querido leitor e quem sabe empreendedor, navegue por estes mares com maior tranquilidade!

(1) Meta-se naquilo que você entende: Diante dos riscos de começar algo novo, nada irá garantir o sucesso, ainda mais se você estiver acostumado a ter um emprego e o salário depositado em sua conta ao final do mês. Reduza este risco procurando atividades nas quais você seja expert. Por exemplo, há vinte anos dando aulas, sinto-me à vontade para me meter no campo das palestras, mas teria um retumbante fracasso se me aventurasse no ramo do varejo, mesmo que fosse uma simples lojinha para vender café.

(2) Não desista fácil: Salvo raríssimas exceções, conheço poucas histórias de negócios ou carreiras de sucesso que não tenham sofrido reveses em suas trajetórias: a inauguração da loja que atrasou por conta de uma licença que não saiu, as cervejas que encalharam no estoque por conta do fim de semana chuvoso, entre outros exemplos. É preciso persistência, mesmo quando algo foge do planejamento.

(3) Planeje-se: E aqui me refiro a um planejamento mais amplo, que envolva não apenas os desembolsos e projeções de receitas e despesas para o novo negócio, mas também o seu orçamento pessoal, de forma razoavelmente segregada a fim de se evitar pressões indevidas em ambos os lados. Imagine você ter que adiar a compra do freezer para sua pequena empresa de congelados porque precisa pagar o plano de saúde ou, de forma inversa, atrasar o pagamento de suas contas pessoais porque gastou os recursos para formar estoques. Não vai dar certo assim, concorda?

(4) Atenda a máxima “uma coisa de cada vez”: Como citei antes, o risco para se estabelecer em uma nova atividade é alto e assim, sugiro fortemente que antes de abrir várias frentes de uma única vez, espere para que os primeiros empreendimentos decolem antes de se lançar aos demais. Claro que em atividades correlacionadas esta máxima é relativa, como, por exemplo, trabalhar como especialista em informática em conjunto com o desenvolvimento de programas computacionais. Mas entendo que você acabará se perdendo se, paralelamente à informática, resolver abrir a lojinha dos congelados: muitas especificidades distintas que demandarão sua total atenção. Tenha calma, que tal?

(5) Respeite o mercado: Bobagem você achar que, por estar por sua própria conta e risco, não terá mais patrão: na realidade você terá vários patrões, sejam os seus clientes, pacientes ou fornecedores. Saber negociar, aceitar críticas, flexibilizar preços, prazos e horários é primordial; encantar deve ser seu objetivo! Adicionalmente, lembre-se: você é o responsável pela prospecção de novos clientes. Renove-os sempre, antes que a demanda pelo seu trabalho se esgote!

(6) Prepare-se para “ralar”: Esqueça a ideia equivocada de que o seu negócio irá sustentá-lo enquanto você ficará na vida boa em férias intermináveis. Acha que eu me engano? Então faça o teste: vá ao restaurante na esquina de sua casa e pergunte pelo dono. Decerto você terá uma boa conversa sobre os prós e contras na vida de um empreendedor. Mas revelo: com certeza compensa, caso contrário ele não estaria lá para o bate-papo, não é mesmo?

Um grande abraço e até a próxima!

O autor autoriza o uso de suas declarações. A Losango não se responsabiliza pelo conteúdo.

Esta informação não objetiva dar conselho legal, contabilidade ou taxa. As pessoas que acessam estas páginas devem obter orientação apropriada considerando os objetivos do investimento, situação financeira e necessidade. A orientação financeira oferecida não foi preparada considerando os objetivos de investimento em particular, situação financeira e necessidades de qualquer investidor em particular. Investidores orientados devem avaliar se é apropriado agir como tal.

Anterior Próxima

Soluções para Você

Descubra todas as soluções que temos para você realizar seus sonhos.

Tabela de Tarifas