Organização Financeira

Na defensiva

Entendo que a gente deva ser otimista com relação à vida, sendo capaz de enfrentar os diferentes obstáculos que se apresentam no dia a dia. Mas vamos combinar: o cenário econômico/financeiro que ora passamos tem tirado o sono de muitos, mesmo aqueles que vivem sorrindo, e menos pelas questões mais complexas – tipo uma eventual perda do grau de investimento do país – e mais por questões cotidianas, como a escalada de preços de bens e serviços, o que aliado a uma diminuição de renda tem afetado orçamentos Brasil afora. O que fazer diante deste quadro?

Gosto das analogias e a que trago hoje é a de um motorista pego em meio a uma chuva torrencial enquanto desce a serra. Se fosse você, meu querido leitor, o que faria? Certamente não iria parar no acostamento e assim correr o risco de sofrer uma colisão ou o deslizamento de uma barreira, mas certamente adotaria uma postura de proteção: velocidade mais baixa para evitar derrapagens, uso de freio-motor para evitar freadas bruscas e outras derrapagens, e olhos mais atentos para perceber com antecedência automóveis desgovernados a sua frente. Guardadas as devidas proporções, entendo que tal direção defensiva também deva ser adotada na condução de suas contas, tentando desta forma se precaver da chuva inflacionária. Algumas sugestões:

(1) Mudar os hábitos tem o seu valor, pois com o mês sobrando e o salário faltando, saber esticar o orçamento é uma verdadeira arte. Ser suficientemente flexível a ponto de passar a limpo velhos costumes é uma boa prática, aquilo que muitos chamam de desapego. Alguns exemplos simples ilustram a questão: (a) se você corta o cabelo a cada mês, ampliar o intervalo para 40 dias reduzirá sua despesa em 25%; (b) se ao lado de sua academia favorita há outra com preços mais convidativos, você pode pensar em trocar e fazer nova economia. Com toda a conexão virtual hoje existente, não haverá dificuldades de manutenção dos antigos amigos, sem contar a possibilidade de conhecer novos.

(2) Redimensionar despesas não essenciais também é outra atitude que ajuda, já que não faz sentido assumir desembolsos maiores por conta de preços ascendentes. Mais um exemplo: refeições fora chegam a custar 10% a mais do que custavam no início do ano.  Assim, se o restaurante que você frequenta ficou mais caro, vá um menor número de vezes, deixe a sobremesa ou a bebida de lado ou, em casos mais graves de orçamento totalmente estourado, jante em casa, ora, ora!

(3) Revisar as contas de consumo é hábito que os mais atentos há muito já adotaram. E não é para menos: provedores de internet, TV a cabo, operadoras de telefonia – fixa ou celular – travam verdadeiras batalhas para aumentar sua base de clientes, já que a natureza dos serviços prestados é contínua. Exemplificando com o caso do celular, verifique junto a sua operadora que tipo de plano melhor se adequa a seu uso e, eventualmente, até mude de operadora. Com a portabilidade você não perde seu número, lembra?

(4) Controlar a conta do supermercado também é uma boa pedida por corresponder a um item que tem bastante peso no orçamento. Donas e donos de casa que os frequentam devem pesquisar preços, trocar marcas, usar produtos substitutos – no caso de aumentos agudos de determinado hortigranjeiro – e, eventualmente, até estudar a hipótese de mudar de estabelecimento. Um truque que pode ajudar é usar como meta o seu gasto médio mensal deste ano (ou do ano passado, se você possuir estes dados) para a sua conta na próxima compra. Considerando que você não reduzirá o estoque de produtos que consome, adotar as sugestões que citei no início deste item pode auxiliar no orçamento.

(4) Controlar a conta do supermercado também é uma boa pedida por corresponder a um item que tem bastante peso no orçamento. Donas e donos de casa que os frequentam devem pesquisar preços, trocar marcas, usar produtos substitutos – no caso de aumentos agudos de determinado hortigranjeiro – e, eventualmente, até estudar a hipótese de mudar de estabelecimento. Um truque que pode ajudar é usar como meta o seu gasto médio mensal deste ano (ou do ano passado, se você possuir estes dados) para a sua conta na próxima compra. Considerando que você não reduzirá o estoque de produtos que consome, adotar as sugestões que citei no início deste item pode auxiliar no orçamento.
Previna-se!

Um grande abraço e até a próxima semana!

O autor autoriza o uso de suas declarações. A Losango não se responsabiliza pelo conteúdo.

Esta informação não objetiva dar conselho legal, contabilidade ou taxa. As pessoas que acessam estas páginas devem obter orientação apropriada considerando os objetivos do investimento, situação financeira e necessidade. A orientação financeira oferecida não foi preparada considerando os objetivos de investimento em particular, situação financeira e necessidades de qualquer investidor em particular. Investidores orientados devem avaliar se é apropriado agir como tal.

Anterior Próxima

Soluções para Você

Descubra todas as soluções que temos para você realizar seus sonhos.

Tabela de Tarifas