Organização Financeira

O jogo da imitação

Se você, meu querido leitor, assim com eu, aprecia um bom cinema, decerto deve ter assistido ao premiado filme que dá o título ao artigo de hoje (The Imitation Game, 2014), e que conta a história do matemático inglês Alan Turing, responsável por decifrar o código alemão Enigma da segunda guerra mundial a partir da construção de intrincada máquina que simulava (imitava) aquilo que os inimigos faziam. Não me estendo no assunto, pois não quero estragar a sua diversão caso você ainda não o tenha visto, mas vou aproveitar o tema para tocar em assunto igualmente importante para nossa guerra particular ao orçamento descontrolado: a imitação de padrões.

Vivendo em uma sociedade cada vez mais conectada, possivelmente você participa de grupos sociais, os mais diversos: colegas de trabalho, familiares, amigos da antiga escola, companheiros de faculdade, amizades virtuais, parceiros de atividades esportivas e muitos, muitos outros. E cada um destes grupos possui padrões comuns de identidade e comportamento... Por exemplo, se você é ciclista, possivelmente conversa sobre os novos modelos de capacete, pedal e vestimenta mais adequada para o passeio de longa distância que irá fazer no próximo fim de semana, não é mesmo?

Até aí tudo bem, não poderia ser mesmo diferente já que é justamente o elo comum que o faz participar de determinado grupo. Entretanto, se formos analisar individualmente os componentes de cada agrupamento, percebemos que, pelo menos no que diz respeito ao objetivo central de nossos artigos – as finanças do bolso – as diferenças são por vezes acentuadas. Voltando ao exemplo do ciclismo, apenas no quesito principal, a bicicleta, uma rápida olhada na Internet me mostrou modelos custando desde modestos R$ 549 até fantásticos R$ 14.999... E observe bem que não fui a fundo na pesquisa, pois parei no segundo site que encontrei; dizem que há ainda mais caras!

E é justamente aqui que o problema começa, pois não raro, muitos tentam acompanhar o padrão de gasto (ou investimento) dos mais abastados para se sentirem aceitos pelo grupo. Precisa ser assim? Entendo que não, pois se o objetivo do grupo é o convívio, a aventura, o prazer de ver uma meta cumprida, de sentar em um barzinho para jogar conversa fora após a longa pedalada, não será o preço da bicicleta ou o modelo do capacete que deverão determinar o tamanho da diversão... Da mesma forma que chegar no topo em primeiro ou em último lugar também não o são, todos terão uma história e risadas a dar, terminado o evento.

Trouxe este exemplo, mas que fique claro que esta ideia de imitar padrão alheio é mais comum do que se pensa: a moça que compra a bolsa em suaves 12 prestações porque a colega do trabalho tem uma igual, o vizinho que opta pelo automóvel importado para fazer frente à pick-up do síndico, o recém-formado que gasta metade do seu salário em uma balada para acompanhar o amigo que, talvez ele desconheça, é filho do dono da empresa onde trabalha, o analista que frequenta restaurantes caros diariamente na hora do almoço para estar próximo à chefia.

Usufruir dos prazeres da vida, mesmo que caros, faz parte do desejo de cada um. Mas é preciso cuidado redobrado pois no afã de querer parecer mais do que se é, o bolso pode sofrer pesadas perdas, que não necessariamente conseguirão ser recuperadas mais à frente, quando o padrão destes gastos estiver adequado ao padrão das receitas. Mais sábio seria, na medida do possível, procurar estar junto a estes grupos mantendo a própria individualidade orçamentária.

Termino o artigo com um caso real e de final trágico: Pedro, dentista renomado, tinha um consultório que vivia cheio, fila de espera e uma receita mensal muito generosa. Vindo de uma tradicional família, sempre frequentou os melhores ambientes, restaurantes caros, e grupos exclusivos, formados na maioria dos casos por empresários com bastante bala na agulha. Foram pelo menos quinze anos vivendo desta forma, com poupança praticamente inexistente, mas um acidente levou-lhe a vida. Por não perceber que ao acompanhar o ritmo de uma turma bem mais abastada que ele sacrificou seu potencial de poupança, gerou uma situação de insegurança financeira para sua família, pois com seu falecimento foi preciso mudar a escola dos filhos, devolver o caro apartamento onde morava de aluguel, vender automóveis, motocicletas, cavalos e demais brinquedos. E infelizmente o produto final desta venda não foi suficiente para que a viúva adquirisse uma moradia em caráter permanente. Triste estória...

Um grande abraço e até a próxima!

O autor autoriza a publicação do artigo.
Losango não se responsabilizam pelo conteúdo.

Esta informação não objetiva dar conselho legal, contabilidade ou taxa. Pessoas acessando estas páginas devem obter orientação apropriada considerando os objetivos do investimento, situação financeira e necessidade. A orientação financeira oferecida não foi preparada considerando-se objetivos de investimento em particular, situação financeira e necessidades de qualquer investidor em particular. Investidores orientados devem avaliar se é apropriado agir como tal.

Anterior Próxima

Soluções para Você

Descubra todas as soluções que temos para você realizar seus sonhos.

Tabela de Tarifas