Organização Financeira

Meu neném está chegando, e aí?

Não tenho a menor dúvida de que a chegada de um novo membro à família talvez seja a maior emoção que pais e mães babões possam ter em sua existência. Eu mesmo, ainda me lembro do que foi carregar a Maria Luiza (hoje com 19 anos) e o Rodrigo (hoje com 15) no colo, ainda na sala de parto.

Momentos indescritíveis que vou levar comigo pela vida afora. Mas avançando para além da emoção e partindo para a razão, se este é o seu caso, meu querido leitor, você acha que está financeiramente preparado para esta nova realidade? Pois foi pensando sobre isso que resolvi escrever o artigo de hoje, mesmo sabendo de antemão que muitos possam criticar minha visão um pouco mais materialista da questão, ainda que meu objetivo aqui seja apenas o de ajudar a uma paternidade/maternidade responsável!

- O que realmente importa?

Sim, sei que todos os preparativos iniciais, a escolha dos móveis e da decoração para o quarto, as roupinhas, os sapatinhos e mais aquela infinidade de artigos que pais usualmente não sabem do que se trata – moisés, cueiros, por exemplo – são parte da questão, e quem sou eu para dar pitaco nesta área, não é mesmo? Fico restrito apenas à velha recomendação de sempre se fazer a pesquisa prévia à procura dos melhores preços. Mas vamos lá, reflita comigo: seja por questões culturais, emocionais ou mesmo pela falta de oportunidades, não é raro que aqui no Brasil um filho permaneça sob as asas dos pais até idades mais avançadas, concorda? Assim, o que deverá constar em seu planejamento de forma a garantir-lhe um futuro razoavelmente autossustentável?

- Por que não dar o exemplo?

Filhos em geral nos usam como seus heróis, o que significa dizer que nossos comportamentos acabam por lhes servir como modelo. Assim, se ele enxergar em você uma pessoa financeiramente responsável, metade do seu trabalho de educação e orientação estará encaminhado. Não me refiro aqui a ser pão-duro ou mesquinho, mas mostrar-lhes o valor do dinheiro, as vantagens de uma vida financeira equilibrada, a existência de restrições (não se pode comprar tudo ou quase tudo em um mesmo momento), os custos de se viver endividado, e por aí vai. Ou você acha que no futuro tais ensinamentos não lhes pouparão grandes aborrecimentos já que eles estarão acostumados à vida como ela é?

- Onde ele irá estudar?

Esta é uma questão que não para simplesmente na ideia de “quero o melhor ensino para os meus”, ainda que louvável. Dentre as diferentes escolas possíveis para cursar, além do ensino – que deve ser o fator determinante de sua decisão – avalie também as mensalidades e, talvez o mais importante elemento, infelizmente quase nunca aparente: qual o nível social/financeiro dos amigos que eles terão! Já vi muitos casos de frustrações familiares por conta da impossibilidade dos pais acompanharem o patamar de gastos que seus filhos teriam caso quisessem frequentar todas as atividades extras.

- Que tal garantir-lhe a faculdade?

Como o futuro é sempre incerto, vejo muitos pais, desde o nascimento de seus filhos, fazerem uma poupança mensal (não necessariamente uma caderneta!) destinada a cobrir os custos futuros da faculdade dos filhos. Acho louvável quem pensa assim, e a rede bancária em geral possui muitos produtos com tais características. Vale analisá-los!

- E se o pior acontecer?

Na dica anterior, partimos do pressuposto de que estaremos vivos até este momento, quando então os valores acumulados garantiriam os estudos dos filhos. Bem, mas o que aconteceria se, no meio do caminho, a fonte provedora desta poupança mensal ficasse sem capacidade de geração de renda (morte ou invalidez permanente, por exemplo)? Não vejo outra solução que não a contratação de seguro simultaneamente à formação da poupança. Neste caso, claro, os filhos seriam os beneficiários. Mas chamo a atenção para um aspecto: à medida que o tempo passa e a fatalidade – que bom! – não tiver ocorrido, a necessidade de cobertura irá diminuir, em função do saldo acumulado pela poupança mensal. Conclusão: converse com o seu corretor para que ele o ajude a dimensionar um seguro cujo valor da apólice possa ser reduzido conforme a passagem do tempo, que tal?

Um grande abraço e até a próxima!

O entrevistado autoriza o uso de suas declarações

O portal Você Faz Acontecer e a Losango não se responsabilizam pelo conteúdo.

Esta informação não objetiva dar conselho legal, contabilidade ou taxa. Pessoas acessando estas páginas devem obter orientação apropriada considerando os objetivos do investimento, situação financeira e necessidade. A orientação financeira oferecida não foi preparada considerando-se objetivos de investimento em particular, situação financeira e necessidades de qualquer investidor em particular. Investidores orientados devem avaliar se é apropriado agir como tal.

Anterior Próxima

Soluções para Você

Descubra todas as soluções que temos para você realizar seus sonhos.

Tabela de Tarifas